jusbrasil.com.br
17 de Maio de 2022

Qual a diferença entre fundo partidário e fundo eleitoral?

Natália Oliveira, Engenheiro de Software
Publicado por Natália Oliveira
há 4 anos

Olá, você. Escrevi esse pequeno texto em função de uma dúvida particular. Foi estranhamente difícil encontrar o tópico em doutrinas, que explicitamente falassem do que se trata cada um (pesquisei no livro Direito Eleitoral do Jairo Gomes e no Direito Eleitoral Esquematizado, do Thales e da Camilla Cerqueira).

Fundo partidário

O nome oficial do fundo partidário é Fundo Especial de Assistência Financeira aos Partidos Políticos. Está disciplinado na Lei 9.096/1995 (Lei dos Partidos Políticos), Lei 9.504/1997 (Lei das Eleicoes), nas Resoluções 21.975 e 23.464 do TSE e na Portaria 288 do TSE, que está em processo de alteração. Basicamente é um fundo de valores repassados aos partidos políticos que, conforme a Lei dos Partidos Políticos, conta com:

  • Multas e penalidades pecuniárias

  • Recursos financeiros que lhe forem destinados por lei orçamentárias da União

  • Doações de pessoa física ou jurídica, efetuadas por intermédio de depósitos bancários diretamente na conta do Fundo Partidário

  • Dotações orçamentárias da União (termo bonito para verba com fim específico)

Em suma, é um misto de verbas predominantemente públicas com verbas privadas e é um instituto já consolidado na legislação desde a década de 90. Para receber essas verbas o partido deve estar devidamente registrado no TSE e com a prestação de contas em dia.

Dê uma olhada no site do TSE:

De acordo com o art. 41-A da Lei nº 9.096/1995, do total do Fundo Partidário, 5% (cinco por cento) são destacados para entrega, em partes iguais, a todos os partidos que atendam aos requisitos constitucionais de acesso a esses recursos e 95% (noventa e cinco por cento) são distribuídos na proporção dos votos obtidos na última eleição geral para a Câmara dos Deputados.

Fundo eleitoral

Este é um instituto novo, não deve ser confundido com o fundo partidário e seu nome oficial é Fundo Especial de Financiamento de Campanha. Está intimamente ligado a reforma política, ou como quiser chamá-la, que foi sancionada em 2017, que já vale para 2018. Dê uma lida na Lei 13.487/2017. Ela alterou a Lei das Eleicoes e a Lei dos Partidos Políticos, instituindo o que ficou conhecido como fundo eleitoral. Repare no que diz a lei:

Art. 16-C. O Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) é constituído por dotações orçamentárias da União em ano eleitoral, em valor ao menos equivalente:
I - ao definido pelo Tribunal Superior Eleitoral, a cada eleição, com base nos parâmetros definidos em lei;
II - a 30% (trinta por cento) dos recursos da reserva específica (...)

A reserva específica se refere a programações decorrentes de emendas de bancada estadual de execução obrigatória e de despesas necessárias ao custeio de campanhas eleitorais. Se quiser saber um pouco mais sobre a última reforma política leia esse artigo do G1 .

Recapitulando: são dois fundos de fornecimento de verbas para os partidos políticos, com propósitos até parecidos, mas que foram instituídos em momentos diferentes, sendo que o fundo partidário conta com verbas de fontes mais variadas. Vale a pena dar uma olhada nesse artigo do site Politize.

Existem muitos questionamentos acerca desses fundos. E você, o que acha da existência desses institutos? São bem repartidos? As regras são justas? Deveriam existir? Não deveriam existir?


Este artigo foi útil? Recomenda💚 a leitura, clicando lá em cima.

Ps: se houver uma informação equivocada, aponte nos comentários!

Informações relacionadas

Notíciashá 18 anos

STF regulamenta prazo para pedidos de vista de ministros

Doutrina2021 Editora Revista dos Tribunais

Parte 2. Cumprimento da Sentença

13 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Uma pergunta mais emblemática e de fundo paradoxal, caso a resposta seja contrária ao já estabelecido, é: Deve-se existir partidos políticos? Acredito que leva a existência de debates mais acalorados do que o financiamento, e sua resposta também leva a solução da questão do financiamento. continuar lendo

É a sociedade financiando a campanha de quem os engana. continuar lendo

Os Fundos Partidário e Eleitoral não devem existir. Devem ser extintos. continuar lendo

Esses institutos são gêmeos gerados de dois óvulos. Não são univitelinos, só por isto alguma diferença é percebida. Seu objetivo é o mesmo: manter o poder de partidos e políticos que já o tem via dinheiro público e/ou achacando eleitores. continuar lendo

Existem várias críticas nesse sentido, @maferreira1950, já que juntos os valores são exorbitantes. continuar lendo